Janeiro – mês de festa para a Família Verbita

Janeiro, para a Família Verbita, é muito especial. Neste mês celebramos seus mais ilustres filhos, Santo Arnaldo Janssen, fundador da Congregação, e São José Freinademetz, o missionário, por excelência.

Para recordarmos a profunda fé em suas vidas e o compromisso missionário refletido em favor dos pobres e marginalizados, foram realizados 2 tríduos em nossa Paróquia. O primeiro, nos dias 12, 13 e 14, por Santo Arnaldo Janssen e missa solene no dia 15 e o segundo, nos dias 26, 27 e 28, por São José Freinademetz e missa solene no dia 29.

Com a ajuda de alguns bispos, Arnaldo Janssen inaugurou a casa missionária no dia 8 de Setembro de 1875, em Styel (Holanda). Esta data é considerada o dia da Fundação da Congregação do Verbo Divino.

Em consonância com o exemplo de vida de nossos Santos, Papa Francisco, insistentemente, tem nos falado sobre a necessidade de construirmos pontes e não muros.

“O mundo precisa de uma nova liderança para construir pontes, não muros” afirmou o Papa na mensagem aos 500 teólogos reunidos em Sarajevo, entre os dias 26 a 29 de julho de 2018.

“Eu continuo repetindo isso na esperança de que as pessoas em todos os lugares prestem atenção a essa necessidade, que é cada vez mais reconhecida embora às vezes sofra resistência por medo. Somos chamados a reconhecer todos os sinais e mobilizar toda a nossa energia para remover os muros de divisão e construir pontes de fraternidade em todos os lugares do mundo”, afirmou o Papa.

Disse-nos ainda:

“O que devemos fazer com a coragem e a paciência? Devemos sair de nós mesmos e das nossas comunidades e ir ao encontro dos homens e mulheres que vivem, trabalham e sofrem; devemos anunciar a todos eles a misericórdia do Pai, mediante seu Filho. Jesus de Nazaré. Devemos anunciar esta graça que nos foi dada por Jesus”.

São José Freinadmetz  nos deu esse exemplo de como a ir ao encontro dos outros. Em 1879, Santo Arnaldo Janssen o enviou para uma missão na China. Seus primeiros anos foram muito difíceis. Longe de sua terra e sua família, tinha dificuldade para se ajustar ao mundo diferente e abandonar seu etnocentrismo, forte característica dos missionários europeus daquele século.

Com o passar dos anos, passou a amar tão profundamente aquela terra e seu povo, que chegou ao ponto de afirmar: “Amo a China e os chineses. No céu, quero continuar sendo chinês”.

Para se ter uma ideia, em sua chegada, encontrou uma comunidade cristã com menos de 200 fiéis numa população total de 9 milhões de habitantes e, quando de sua morte, em 28 de janeiro de 1908, a diocese já contava com 40 mil adultos convertidos e 150 mil crianças batizadas.

Depois de se tornar um oriental entre os orientais, o santo ganhou do povo o carinho e o apelido de Fu-Schenfu que significa Padre Feliz.

Os testemunhos de vida de Santo Arnaldo Janssen e de São José Freinademetz nos mostram o poder transformador da fé e são um guia para a criação de relações fraternas de igualdade e esperança para aqueles que vivem à margem da sociedade.

Nossos Santos missionários Arnaldo Janssen e José Freinademetz foram beatificados pelo Papa Paulo VI em 19 de outubro de 1975 e canonizados por São João Paulo II em 05 de outubro de 2003.

“O Senhor desafia a nossa fé e incentiva-nos a fazer algo novo, precisamente quando tantas coisas implodem na Igreja.” Arnaldo Janssen

“O anúncio do Evangelho é a maior prova de amor ao próximo.” Arnaldo Janssen

“A linguagem que todo o mundo entende é a linguagem do amor.”  José Freinademetz

Confira as fotos aqui

Fontes da pesquisa:

2 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *