Posts

Festa de Santo Arnaldo Janssen – 15 de janeiro de 2021

Com muita alegria, nossa comunidade comemorou a festa de nosso Santo Fundador, Arnaldo Janssen. Pe. Carlos iniciou a celebração falando de sua imensa satisfação, como missionário que veio de longe, em celebrar este momento na Paróquia do Verbo Divino.

Santo Arnaldo fundou em 1875, a primeira comunidade missionária para a formação de sacerdotes e irmãos, que recebeu o nome de Sociedade do Verbo Divino. Em 1889, fundou a Congregação das Missionárias Servas do Espírito Santo e, em 1896, a Congregação das Servas do Espírito Santo da Adoração Perpétua. Todas na Holanda.

Sobre a biografia de Santo Arnaldo, Pe. Carlos instruiu que ele nasceu em uma família muito simples e grande. Era um homem intelectualmente brilhante, formado, que trabalhou como professor, mas foi tocado a fundar a Congregação religiosa missionária, com a finalidade de levar o Evangelho a lugares distantes, além fronteiras. Eram tempos difíceis e sem recursos, mas sua fé, forte e firme e sua perseverança na adoração, no ler e no escutar a Palavra de Deus o animaram a perseverar nessa missão tão importante, somente com a força do Espírito Santo.

Afirmou que o sucesso de Santo Arnaldo nessa missão, se deu devido à sua intimidade com Deus, à leitura e meditação de Sua palavra. Não é possível ser verdadeiro missionário, batizado, discípulo de Jesus, sem ter intimidade com a Palavra de Deus. A Palavra de Deus, Jesus, o Verbo, habitou e está no meio de nós, está em cada coração e temos que transmiti-la às pessoas que ainda não conhecem o Evangelho e não conhecem Jesus.

Nós também, principalmente no momento que estamos vivendo, precisamos ter um relacionamento mais profundo com a Palavra de Deus para que possamos descobrir qual a missão de cada um no mundo em que vivemos. Sem o relacionamento, sem escutar e meditar a Palavra de Deus, não teremos a possibilidade de descobrir o que podemos fazer para ajudar os irmãos em Deus.

Convidou os fiéis a aprofundar mais o conhecimento da Bíblia e que não fiquem um dia sequer, sem ler e meditar a Palavra de Deus.

Exortou-nos no esforço de uma maior participação na Eucaristia e na Adoração ao Santíssimo Sacramento.  Reforçou que Santo Arnaldo não saia da Adoração e por isso tinha forças. Nós, muitas vezes, não temos essa perseverança e em qualquer dificuldade que encontramos, ficamos abalados.

Se temos Amor à Eucaristia e participamos da adoração ao Santíssimo, temos a força para levar a Eucaristia e transmitir Jesus ao próximo.

Que Santo Arnaldo interceda por todos nós, que em nossas famílias nada falte, que possamos resolver os problemas e continuar ajudando a igreja e o mundo lá fora, são os votos de Pe. Carlos, nosso vigário.

Confira AQUI AS FOTOS

Festa do Batismo do Senhor – 10 de janeiro de 2021

Hoje celebramos a Festa do Batismo do Senhor. Com essa festa, encerramos as solenidades do Natal e, pelo calendário litúrgico, entramos no tempo comum, com o início da vida pública de Jesus.

João Batista disse: eu vos batizei com água, mas Ele vos batizará com o Espírito Santo. Assim, no dia do nosso batizado, recebemos a água – que é a matéria do Sacramento do Batismo – e fomos ungidos com a força do Espírito Santo.

Nosso vigário, Pe. Carlos, em sua homilia, nos convidou a refletir sobre a importância que o batismo deve ter em nossa vida. Como nós assumimos o nosso papel e nossa função de batizados e batizadas em nome de Jesus Cristo.

Na 1a leitura (Is 42,1-4.6-7), Isaías nos fala do servo do Senhor e apresenta uma palavra de consolo e esperança para o povo de Deus. “Eu, o Senhor, te chamei para a justiça e te tomei pela mão; eu te formei e te constituí como o centro de aliança do povo, luz das nações, para abrires os olhos dos cegos, tirares os cativos da prisão, livrares do cárcere os que vivem nas trevas”.

Na 2ª leitura, (At 10, 34-38) ouvimos que Pedro compreendeu que Deus não faz distinção entre as pessoas. Também nós, em nossa missão, como cristãos e cristãs batizados e ungidos com o Espírito Santo, não podemos fazer essa distinção. Todos têm o direito de ser salvos. Em nossa convivência quotidiana, temos que tratar a todos igualmente e nos tornar como luz nas trevas onde acontecem divisão, desunião, brigas, falta de fé e de esperança. Frisou que não são poucas as vezes que encontramos pessoas frustradas, desanimadas, que não acreditam mais que a vida é dom gratuito que Deus nos dá. E acrescentou que, pior ainda, é que muitos cristãos católicos batizados não vivem o batismo.

No Evangelho (Mc 1,7-11) Jesus, depois de ser batizado no rio Jordão, por João Batista, ao sair da água, viu o céu se abrindo, e o Espírito, como pomba, descer sobre ele e do céu veio uma voz: “Tu és o meu Filho amado, em ti ponho meu bem-querer”.

Disse que, como cristãos e cristãs batizados e batizadas, sabemos que somos filhos amados por Deus. Se tivermos essa fé, nenhum de nós pode viver na tristeza, na desesperança, na frustração, porque quando somos ungidos por Deus, nenhum mal, nenhuma força deste mundo pode nos derrubar porque Ele nos acompanha e nos ama de verdade.

Pe. Carlos nos deixou dois recados:

1º – temos que agradecer a Deus porque somos batizados. Isso é um dom que é ofertado para todos, mas nem todos o recebem. Devemos agradecer a Ele, que nos escolheu. Neste momento em que o mundo todo está triste, nós temos a alegria de saber que Deus nos ama.

2° – Nenhum de nós foi batizado para ficar à toa. Em Seu batismo, Jesus “foi ungido por Deus com o Espírito Santo e com poder. Ele andou por toda a parte, fazendo o bem e curando a todos os que estavam dominados pelo demônio; porque Deus estava com Ele”. Temos esta fé ou não?

Se temos essa fé, podemos ter certeza de que, com a nossa presença, muitas pessoas receberão a força e a alegria. Temos que ser luz nas trevas e alegria para os que estão tristes.

O católico batizado não só participa da Santa Missa, tem que se preocupar com o que faz para o próximo, de acordo com o dom que recebeu de Deus gratuitamente.

Somos missionários que têm o dever de iluminar as trevas que estão em nossa casa, em nossa família e na sociedade em que vivemos. Que o Espírito Santo de Deus nos dê essa força para podermos assumir nossa missão.

Saiba mais:

BATISMO:
Matéria – água
Forma – “Eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo. Amém.”
Graça – Apaga o pecado original – nos torna filhos de Deus – é o nascimento espiritual.

Confira AQUI AS FOTOS

Celebração da Festa da Epifania do Senhor

A missa das 18h segue a liturgia dominical. Então, neste dia 2 de janeiro, celebramos a Festa da Epifania do Senhor.  Em sua homilia, Pe. Carlos nos instruiu que, liturgicamente, com essa festa, a Igreja encerra o período de Natal e inicia um tempo novo. Pela tradição, a Epifania do Senhor se dá no dia 6 de janeiro, mas no Brasil, normalmente, se comemora no domingo para que o povo possa participar. Epifania significa a manifestação do Senhor.

Na solenidade da epifania do senhor a Igreja faz o anúncio das solenidades móveis, durante o ano. O centro de todo o ano litúrgico é o tríduo pascal, que tem seu ponto mais alto no domingo da Páscoa. Dessa solenidade, derivam todas as demais celebrações do ano litúrgico. Pe. Carlos frisou a importância da participação de todos os católicos nas celebrações nas datas lidas no Anúncio da Páscoa. Disse que o anúncio é, na verdade, uma programação da vida das pessoas de fé e que não devemos marcar outros compromissos nessas datas.

  • Domingo da Páscoa – 4 de abril.
  • Cinzas, início da Quaresma – 17 de fevereiro;
  • Ascensão do Senhor – 16 de maio;
  • Pentecostes – 23 de maio;
  • 1º Domingo do Advento – 28 de novembro

Também nas festas da Santa Mãe de Deus, dos Apóstolos, dos Santos e na Comemoração dos Fiéis Defuntos, a Igreja peregrina sobre a terra proclama a Páscoa do Senhor.

Na festa da sagrada família, os pastores foram visitar o menino Jesus, o Filho de Deus que se fez carne e habitou entre Nós. Essa festa mostrou-nos A humanidade de Jesus que, sendo Deus, se fez carne, como nós. Já a festa de hoje, nos mostra a divindade de Jesus, o Salvador, que veio, não só para os Judeus, povo eleito, mas para todas as nações do mundo inteiro. No início da Santa Missa, recebemos as imagens dos 3 Reis magos, representantes da Europa, Ásia e África. É importante saber que aquele menino pobre, humilde, por eles visitado, é Deus.

Ouvindo e meditando as leituras de hoje, temos alguns pontos importantes: na 1a leitura do livro de Isaías, o nascimento do rei, do messias, em Belém, torna a cidade de Jerusalém como uma luz para todas as nações.

Na segunda leitura, Paulo revela aos Efésios que, por meio do Evangelho, os pagãos são admitidos à mesma herança, são membros do mesmo corpo e associados à mesma promessa em Jesus Cristo, reforçando assim, o mistério de que Deus nasceu não só para os Judeus, mas também para todos os pagãos. Paulo, o apóstolo dos gentios ou dos pagãos, como eleito especial, recebeu a grande graça para compreender esse mistério da salvação de todos.

No evangelho, os reis magos, na busca incessante pelo local onde deveria nascer o menino, foram ao encontro do rei Herodes, e assustaram-no, pois, ainda que sendo judeu, não sabia do nascimento de Jesus. Os sumos sacerdotes e mestres da lei disseram que seria em Belém. Eles sabiam disso intelectualmente, mas não reconheciam Seu nascimento. Nos chama muito a atenção que os magos, que não eram do povo eleito, é que anunciaram aos Judeus que o Messias já havia nascido. Herodes os orienta a voltarem com informações sobre o menino, com intenção não de adorá-Lo, e sim de matá-Lo. Mas, avisados em sonhos, voltaram por outro caminho.

Pe. Carlos fez um paralelo com essa leitura, dizendo que esse, na realidade, é o processo de nossa fé. Os reis magos não voltaram pelo mesmo caminho. O encontro verdadeiro com Jesus traz, sempre, uma mudança em nossa vida. Quem tem um encontro verdadeiro com Ele, não anda pelo mesmo caminho.

Pe. Carlos questionou se realmente encontramos o menino Jesus, se somos luz para o nosso próximo e incentivou-nos a sair além de nossa família, de nossa comunidade, de nosso país, para ir ao encontro dos irmãos que precisam de nossa ajuda.

Peçamos ao menino Jesus que nos ilumine, para que possamos viver como Seus discípulos missionários e levar a luz do Evangelho às pessoas que vivem sem esperança, sem alegria e sem paz.

Confira AQUI AS FOTOS